Ideias para lidar com a (i)mobilidade urbana

Sortudo ou sofredorTodos os dias, milhares de pessoas, em todas as grandes cidades do mundo, perdem horas do seu dia em deslocamentos. Presas no trânsito, desperdiçam um tempo que poderia ser de lazer, de trabalho, de descanso, de estar com a família.

A mobilidade é o calcanhar de Aquiles dos grandes centros urbanos. Em São Paulo, por exemplo, se a pessoa precisa transitar por vias arteriais no auge dos engarrafamentos no início da manhã e no final da tarde, sua média de velocidade vai oscilar entre 15  e 23 km/h, segundo a Secretaria Municipal de Transporte. Nas vias rápidas, a média de velocidade é de 42km/h pela manhã e 22km/h no final da tarde. Os dados foram divulgados em agosto deste ano.

Costumamos acusar governos de não investir em transporte público e ciclovias, mas cultivamos o desejo de comprar um belo carro. É uma questão também cultural, sinônimo de “melhorar de vida” no Brasil. Mas as pesquisas – entre elas a do Ibope/Nossa São Paulo realizada em agosto deste ano — apontam que as pessoas estariam dispostas a deixar o carro em casa se houvesse um transporte coletivo de qualidade, com mais linhas de ônibus e metrô, maior frequência e maior conforto.

Um ponto positivo é que o tema mobilidade urbana vem se tornando mais e mais comum em diferentes ambientes de discussão – de gabinetes de prefeitos a redes sociais, de ONGs a fóruns mundiais. Com isso, vai-se criando um ambiente propício para que se pense efetivamente em soluções para o problema.

Algumas ideias – e a tecnologia e as novas mídias colaboram com uma parte delas — podem aliviar o stress com o trânsito. Você pode dar sua parcela de contribuição para reduzir o número de carros nas ruas, ou pelo menos tentar aproveitar melhor esse tempo perdido nos deslocamentos.

Ideia #1 : Aplicativos e sites bacanas

Está em dúvida sobre qual é o melhor caminho? Pelo site Maplink, é possível traçar rotas (inclusive rodoviárias) e verificar as condições de trânsito ao vivo, ajudando a desviar dos congestionamentos.

Para quem mora em São Paulo – que tem o trânsito mais complicado do país – os recursos são maiores, com vários aplicativos para iOS, Android e BlackBerry para ajudar os habitantes. OBusãoSP, por exemplo, ajuda o usuário a encontrar os pontos de ônibus da cidade. Um mapa na tela indica os pontos mais próximos, que ônibus passam ali e o itinerário de cada linha.

Pelas contas de Twitter @DiariodaCPTM e @UsuariosMetroSP, é possível acompanhar em tempo real informações sobre atrasos e problemas em trens e metrôs de São Paulo, mesma função do aplicativo Komuta, que traz informações sobre outras cidades também, fornecidas pelos próprios usuários. Esse sistema, baseado na colaboração, é também o propulsor do Waze, em que os próprios usuários compartilham informações sobre engarrafamentos, acidentes, blitze e até o preço da gasolina nos postos mais próximos.

Com uma proposta bem ecológica, o blog Eu Vou de Bike — um canal para discutir o uso da bicicleta além do lazer de final de semana — oferece uma calculadora para você descobrir quantas calorias queima e o volume de poluentes que deixa de emitir ao adotar a bicicleta como meio de transporte em determinados trajetos.

Ideia parecida é a do recém-lançado aplicativo para Facebook “Sortudo ou sofredor no trânsito?”, desenvolvido pela ONG CoLabora. A intenção é que as pessoas  calculem quanto tempo gastam no trânsito todos os dias. O usuário fornece o CEP de sua empresa e o de sua residência, e o aplicativo considera uma velocidade média de 20km/h para calcular o tempo gasto no trajeto, que não varia de acordo com o meio de transporte.

A ideia que serve de inspiração, segundo seus criadores, é “viabilizar ações de redução do trânsito nas grandes cidades”. O aplicativo ainda está em teste, e talvez por isso peque em alguns pontos, entre eles ignorar o horário em que a pessoa precisa se deslocar (o que afetaria o tempo e o combustível gasto) e não possibilitar reunir em uma só planilha todos os dados a respeito de funcionários de uma mesma empresa, o que permitiria aos gestores elaborar planos de trabalho alternativos com base em estatísticas. Mas, segundo os organizadores, tudo isso será aprimorado em um futuro próximo.

Porém, se você decidir se organizar com outras pessoas de sua empresa ou com vizinhos, o site Caronetas integra pessoas que cumprem trajetos similares e estão a fim de dividir os custos e reduzir o número de carros nas ruas. Outro na linha da colaboração é o site Bikeit, destinado a estimular a boa relação entre o ciclista e a cidade de São Paulo. Os usuários compartilham dicas de estabelecimentos comerciais que são simpáticos a ciclistas no espaço urbano.

#2 : Em busca do tempo perdido

Já que você está preso no tráfego, aproveite para fazer algo de útil, como ler um bom livro.  Ah, você está dirigindo ou não consegue ler dentro de um veículo em movimento? Aproveite para ouvir. De audiobooks a podcasts com os mais variados temas, é uma boa maneira de se manter informado e ainda se distrair. O Podomatic é um dos sites em que você pode fazer download gratuito de vários podcasts.

Outra ideia é ter aulas de inglês. Professores particulares estão oferecendo aulas de conversação para esse período “preso” no trânsito. O professor te acompanha no deslocamento casa-trabalho ou vice-versa. Combine com o seu ou procure um que ofereça esse tipo de serviço específico.

#3 : Vá de bike

Pelo menos duas vezes por semana, deixe o carro em casa e pegue a bicicleta para ir trabalhar. Você faz exercício e ajuda a reduzir o número de carros nas ruas. Veja a reflexão da jornalista e cicloativista Lívia Araújo, de Porto Alegre, que ajudou a organizar a última edição do Fórum Mundial da Bicicleta no Brasil: “Eu moro a apenas 1,5km do meu trabalho, e posso ir a pé ou de bicicleta. Se fosse de carro, levaria o mesmo tempo. Para mim não faz diferença, mas o fato de eu colocar um carro a mais na rua, mesmo para um trajeto curto, pode ter enorme impacto para outras pessoas que precisam fazer trajetos mais longos.”

Todos esses recursos tecnológicos e ideias fáceis de colocar em prática podem ajudar a reduzir o stress e a poluição. Isso também pode motivar as pessoas a se mobilizar, por exemplo, para propor às empresas em que atuam a adoção de diferentes modalidades de trabalho, visando à produtividade e à qualidade de vida. Entre elas, horário flexível (para contornar os picos de tráfego), semana comprimida (trabalhar mais horas por dia, e menos dias por semana, quando o contrato de trabalho permite), trabalho a distância (inclusive home office), open space (compartilhamento de posições de trabalho, nas empresas) e carona solidária entre funcionários da própria empresa.

Pense em como você pode fazer a sua parte. Porque, como diz Alexandre Borin, um dos idealizadores do CoLabora, “no fundo, no fundo, se há trânsito e congestionamentos, todos somos sofredores, não é mesmo?”.

[por Mariela Castro]

 

Mídias Sociais

Pela primeira vez publicado em SocialStar Blog

from SocialStar – Feed http://ift.tt/1LtF2k1
via http://ift.tt/1GVxUbj

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s