Um novo olhar sobre a tecnologia mobile

No interior do Quênia, um rapaz pedala sua bicicleta de aldeia em aldeia. Na mochila nas costas, ele carrega uma ferramenta incrivelmente eficiente. Uma tecnologia que tem tirado da escuridão (literalmente) centenas de pessoas idosas que sofrem de doenças degenerativas na vista.

Nesses confins onde a medicina tradicional acha que não vale a pena chegar, o jovem encontra algumas das cerca de 39 milhões de pessoas cegas ou com graves problemas de visão em todo o mundo, das quais 80% em regiões de baixo poder aquisitivo, como o interior desse país africano. Boa parte dessas pessoas perderam sua visão por causa de doenças que poderiam ser curadas e prevenidas a partir de simples exames de vista. Mas, em se tratando, por exemplo, de mulheres idosas em áreas remotas do Quênia, o uso de sofisticados equipamentos oftalmológicos que custam 25 mil dólares está fora de cogitação.

Mas a ferramenta dentro da mochila, fruto da inquietude de um jovem oftalmologista inglês radicado em Nakuru, cidade de 300 mil habitantes no Quênia, é a melhor tradução do que a combinação entre uma boa ideia e a tecnologia mobile é capaz de fazer. A motivação de Andrew Bastawrous, o oftalmologista, foi: “como fazer exames de vista baratos e ainda assim eficientes, ajudando pessoas sem recursos?”.

E assim ele desenvolveu o Peek (Portable Eyes Examination Kit), um baratíssimo hardware acoplado a um smartphone capaz de fazer praticamente a mesma coisa que os equipamentos caríssimos, mas com um custo 50 vezes menor, e ainda com a vantagem de ser mobile e conectado. Toda a estrutura custa menos de 500 dólares: basta um smartphone com o equipamento e seu aplicativo, operado por um agente de saúde minimamente capacitado, munido de uma bicicleta para se deslocar entre as aldeias.

Apelidado de “eye phone”, esse smartphone especial é capaz de esquadrinhar a retina dos pacientes e, graças a uma conexão de internet via satélite, enviar aos médicos o exame. A bateria do celular tem alimentação solar, com placas adaptadas à mochila. A partir daí, os médicos organizam “caravanas” para buscar os pacientes de uma vez só e levá-los para intervenções cirúrgicas, curando problemas como catarata.

Andrew Bastawrous e outros jovens ao redor do mundo são TED Fellows, empreendedores e inovadores identificados por fazer a diferença nas comunidades em que atuam, sempre levando ao bem comum. TED (em português: Tecnologia, Entretenimento, Design) é uma fundação privada sem fins lucrativos que atua em todo o mundo e se dedica a disseminar boas ideias que possam colaborar para um mundo melhor.

Esta semana, o Rio de Janeiro está sediando o TED Global 2014. É a primeira vez que o evento acontece ao sul do Equador. Durante quatro dias, “cabeças pensantes” da América do Sul e de outras partes do globo estão compartilhando suas boas histórias e, principalmente, boas soluções para fazer do mundo um lugar melhor. Andrew Bastawrous é um dos que está lá contando sua experiência. “Não adianta desenvolvermos a cura para as doenças se não pudermos entregá-la a quem precisa”, defende ele. Agora podemos. Um trabalho para ser aplaudido de pé.

[por Mariela Castro]

Mídias Sociais

Saiba mais em: http://ift.tt/1NEfxgy

from SocialStar – Feed http://ift.tt/1IUhUr1
via http://ift.tt/1GVxUbj

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s